24 de novembro de 2010

Existe inveja boa ou branca?


- Ai que inveja de você, amiga!
Você acabou de relatar a uma colega de trabalho que conseguiu a tão sonhada promoção, ou que finalmente saiu para jantar com aquele gato que ela também sempre achou lindo. Ante a resposta dela, um expressivo misto de admiração e inveja, você ficou na dúvida. Será que realmente existe inveja do bem?
Invejar, de acordo com o Aurélio, é ter desgosto ou pesar pela felicidade de outrem, é cobiçar vivamente o que é alheio. Já admirar significa ter consideração, respeito, afeição, simpatia.
Pelo menos conceitualmente uma coisa não se confunde com a outra. Mas quando se trata de definirmos nossos próprios sentimentos, aí complica tudo. Segundo os psicólogos, a inveja surge de um sentimento, ou complexo, de inferioridade que normalmente vem após uma comparação que alguém faz em relação a outra pessoa. Essa comparação pode ser relativa a coisas materiais como casa, carro, roupas, namorado e também a coisas intangíveis, como a inteligência, a simpatia, a capacidade de comunicação, entre outras qualidades.
Do sentimento de inferioridade é que surgem, mesmo inconscientemente, pensamentos do tipo "ela é capaz de conseguir o que quer, eu não sou". Muita vezes até encontramos justificativas para tais pensamentos, nos sentimos injustiçados quando as portas se abrem para alguém que, aparentemente, não lutou tanto quanto nós e mesmo assim alcançou algo que não alcançamos.
Errado é pensar que o coração humano é perfeito e bom. Em Provérbios encontramos uma sucinta definição para inveja: "o coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos". Todos nós, em algum momento da vida, já sentimos pelo menos um princípio de inveja. Às vezes disfarçada de desdém, às vezes de má vontade. O difícil é alguém admitir que já sentiu isso, e até mesmo diferenciar a inveja da admiração, que seria reconhecer a capacidade de conquista do outro e, ao mesmo tempo, motivar-se e acreditar que também poderá alcançar o tão sonhado objetivo. Alguns chamam esse impulso para a transformação de inveja boa.
Mas quando conseguimos separar o sentimento invejoso da admiração, constatamos que não há hipótese de existir inveja boa, já que invejar é querer para si o que é o do outro, é entristecer-se com as vitórias alheias, não reconhecer o mérito dos vencedores. Quem nutre a inveja tem o coração enegrecido, amargurado e pesado.
Sentir uma invejazinha uma vez ou outra na vida é diferente de nutrir, alimentar esse sentimento tão destrutivo pela vida afora. Faz isso quem sente uma constante necessidade de criticar, ofender, diminuir, ser hostil com quem se destaca, provavelmente por sentir-se inferior à pessoa alvo de tanto ódio. Já reparou que quando contamos coisas boas que nos aconteceram, muitos nem prestam atenção? Mas basta contar alguma tragédia para que todos fiquem interessadíssimos.
Para neutralizar esse sentimento em relação a nós, precisamos acreditar que as pessoas que nos invejam e hostilizam podem se tornar nossas admiradoras ou até mesmo amigas, desde que estejamos dispostos a compartilhar com elas nossas vitórias e conquistas, incentivando-as a perseguir seus próprios sonhos e objetivos. Pode parecer difícil, mas precisamos acreditar que somos capazes de mudar os outros e de sermos mudados, de transformar rivalidade em solidariedade, tudo é uma questão de ação e reação, onde ações positivas tem mais chances de provocar reações também positivas.
E da próxima vez que aquela amiga falar que tem inveja de você, sutilmente peça que ela troque o vocábulo. Um "Uau, amiga, como te admiro! Sou sua fã" soaria bem melhor.

By Marlene Bastos




Acrescento: Vale para os homens também!Independe de sexo!

6 comentários:

  1. Oi, Fernanda!

    A inveja não é um bom sentimento, não mesmo.

    Teu blog é sempre muito interessante!
    Parabéns pelo belo trabalho!
    Um abraço,

    Gislene.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Gislene!
    Volte sempre, querida!
    Beijos... :))

    ResponderExcluir
  3. Bem colocado ... inveja é bem diferente de admiração ...

    ResponderExcluir
  4. Bem diferente mesmo! Bom te ver por aqui, Flavio!
    Beijos... :))

    ResponderExcluir
  5. Interessante mesmo... muitas pessoas confundem inveja com admiração, sem notar que esta palavra é pesada e destoa e faz perder grandes amizades. bjs

    ResponderExcluir
  6. Muito bom! Adorei esse texto Fê :)
    Bjs

    ResponderExcluir

OBRIGADA PELA VISITA !!! VOLTE SEMPRE !!!!

Peça informações sobre Consulta de RADIESTESIA a distância ou presencial (São Paulo-SP) - Pessoas - Ambientes - Empresas.


SKYPE: fernanda.merbach
E-mail: radiestesia.radionica@hotmail.com
Colocar no assunto: CONSULTA RADIESTESIA